Tenho uma bolinha na área do furo do brinco. Pode ser um quelóide no lóbulo da orelha? Qual é o tratamento?

A história natural dos quelóides nas orelhas é da colocação de um brinco ou piercing, seguido de inflamação local. Muitas vezes o quelóide vai aparecer meses ou anos após a retirada do brinco. O tratamento de quelóides pequenos no lóbulos das orelhas pode ser feito com a associação do uso de corticóides injetáveis e brincos de pressão. Lesões grandes tem maior chance de recidivarem com cirurgia isolada e são melhor tratadas com cirurgia seguida de infiltração de corticóides e radioterapia pós- operatória.

Quais as áreas que mais formam quelóides?

Os quelóides tem predileção pelos lóbulos das orelhas, pelos ombros, dorso, região do tórax e esterno. No entanto podem aparecer em qualquer localização, incluindo a área de barba, couro cabeludo, cicatrizes de cirurgias, queimaduras e escoriações profundas.

Quais os fatores que predispõem a formação de quelóides?

O principal fator é a tendência genética da pessoa. Somada a esta tendência familiar, temos os fatores desencadeantes. Exemplos são a inflamação no furo de um brinco, numa espinha, num pêlo encravado. Traumas, escoriações ou queimaduras que demoram mais que três semanas para cicatrizar com curativos também tem mais chance de formar cicatrizes hipertróficas ou queloideanas.

O que é um quelóide e por quê ele se forma?

O quelóide representa uma cicatrização defeituosa e que aparece durante a última fase de cicatrização de uma ferida ou corte. Existe a deposição de colágeno na cicatriz por uma célula que chama-se fibroblasto. Existem estudos que mostram alterações em genes destas células que predispõem a formação de queloides em algumas pessoas. O fibroblasto produz colágeno sem controle e forma-se uma massa endurecida e que continua a crescer para além dos limites da cicatriz orirginal.

Como é a o tratamento dos quelóides?

O tratamento deve ser individualizado pois quanto mais agressivo é o quelóide, maior é a chance de recidiva e crescimento de uma tumoração maior ainda no local afetado. Nos casos de pequenas lesões o uso de massagens com pomadas a base de corticóide e silicone, a injeção de corticóides dentro do quelóide e o uso de placas de silicone pode controlar o tamanho e os sintomas de prurido e dor local.

Quelóides agressivos e grandes não respondem a estes tratamentos mais simples e necessitam de cirurgia seguida de algum tipo de radioterapia, seja a betaterapia, roentengenterapia ou irradiação por feixe de elétrons. No caso de grandes áreas afetadas que não podem ser retiradas por cirurgia, como é o caso de sequelas de queimaduras, o uso de malhas elásticas de compressão forradas com silicone tem alguma efetividade.

Existe cura para os quelóides?

Muito se tem estudado sobre o por quê os quelóides se formam e novos medicamentos tem sido testados para o controle dos sintomas e para se tentar evitar o aparecimento e a recidiva após a cirurgia. Mas ainda não existe uma cura para 100% dos casos, principalmente para aqueles são resistentes aos tratamentos convencionais. O acompanhamento com um profissional experiente é fundamental para a escolha dos protocolos mais adequados para cada caso.